30 de junho de 2015

[Resenha] O Jogo Infinito - James Dashner

     
Excelente!
Tradução: Alexandre Boide | Título Original: The Eye Of Minds | Subtítulo: A Doutrina da Morte| Páginas: 296| Lançamento: 2014 | Primeira Edição | Skoob | Compre | Livro cedido pela editora V&R
“O mundo é virtual, mas o perigo é real.”

 Oi, pessoal! \õ/ Acho que essa semana será recheada de resenhas (rs), bom, trago para vocês um livro bastante comentado e acho que a maioria de vocês já devem ter visto ele ser mencionado em algum lugar por aí. Assim que recebi a obra para uma proposta da editora eu já estava desejando conhecer a escrita a bastante tempo, assim, com publicações e resenhas a respeito desse novo livro do autor que fez sucesso mundial, James Dashner, acabou de criar uma nova série voltada a tecnologia e jogos, e tudo acontece na VirtNet, onde tudo que é virtual acaba se tornando real

 "O Jogo Infinito – A doutrina da morte" é o primeiro livro da série, publicada pela editora Vergara & Riba, e que traz um novo lançamento para os fãs do autor que está fazendo sucesso com os livros da série Maze Runner e que agora está lançando um livro totalmente voltado ao mundo do conhecimento tecnológico.


 Michael é um garoto viciado em games, ele é acostumado a jogar na VirtNet e também é considerado um hacker, graças a tecnologia esse local acaba "teletransportando" para esse local, qualquer pessoa pode experimentar o mundo que a VirtNet produz, mas também pode colocar a sua vida em riscos bem graves. O universo é totalmente viciante, porém casos de morte cerebral já aconteceram, com as pessoas denominadas reféns, e o nosso protagonista está sofrendo vários riscos com o governo. 

 Nas primeiras páginas, conhecemos a Tanya, uma garota linda, mas infelizmente com olhos tristes e tornou-se uma amiga para o Michael por algumas horas, mas o que percebemos (e isso não é spoiler) é que ela está tentando de alguma maneira se suicidar, só que o ele não entende muito porque a garota deseja fazer isso, ela sempre diz que está presa no local, que existe um rapaz chamado Kaine e quando ele tenta ajudar ela sempre pede para ele sair imediatamente do seu lado, para deixar ela em paz, mas o que ele  faria com a garota totalmente desesperada como ela? Ele tentou dar conselhos para a garota, só que infelizmente ela acabou não escutando e decidiu acabar com a sua vida, ela retirou seu Núcleo, uma corrupção do programa, protegido por senha, que só seria possível se usasse contra ela mesma, o protagonista acabou conhecendo Tanya no jogo minutos antes dela falecer, Michael estava sozinho.



  Os acontecimentos passam rapidamente, a obra é narrada em terceira pessoa, mas o autor deixou a imaginação do leitor acontecer e a sua escrita foi bastante detalhada o que não interrompeu em momento algum o compreendimento da leitura. Prosseguindo, o nosso narrador acha que tudo isso é um "jogo simples", mas a cada situação ele acaba notando que vai sendo real, na sua mente, Michael, avisa: “É só um jogo”, só que infelizmente não é.

 Ainda temos o Lifeblood, que era de longe um jogo bastante popular na VirtNet. Após passar alguns minutos, Michael praticamente é sequestrado no meio da rua e é convidado para uma proposta pela agente Weber que trabalha na SSV (Serviço de Segurança da VirtNet), ela se interessou pela excelência e domínio em códigos que o protagonista tem e então eles conversaram e depois Weber mencionou algo bastante curioso, a denominada "Doutrina da Morte", o objetivo dessa doutrina é destruir a humanidade e isso está relacionado ao Kaine, voltando ao caso da Tanya, ela sempre mencionava o nome desse rapaz, mas o Michael não entendia muito bem, e outra coisa que a agente avisou, as pessoas podem ficar presas na VirtNet e estão sendo induzidas a decodificar o próprio Núcleo, um caso grave de ciberterrorismo, isso fez com que o garoto ficasse abalado com todas as informações e as lembranças da sua amiga.


 Resumidamente, Michael tinha uma missão de encontrar Kaine e descobrir tudo o que esteja relacionado ao grupo "Doutrina da Morte", porém, se aceitar toda essa proposta ele acaba levando a sua vida em riscos, por conta de que fora da VirtNet é tudo totalmente perigoso, será que o garoto topará essa oferta?

 Desde que vi algumas fotos desse livro eu realmente me apaixonei por completo, capa e premissa, após o livro em mãos minhas impressões foram que a diagramação foi o trabalho bem cuidadoso pela V&R, a fonte é bem bacana e diferente no início dos capítulos, mesmo sendo um pouco pequena do acostumado não incomodou por conta de ser páginas amareladas, é um modo simples, mas que é bem bacana e charmosa.



  Só tenho elogios a respeito desse livro, eu amei do início ao fim, sei que algumas partes podem até ser meio monótonas, porém depois de finalizar a leitura você sente no fundo do coração que precisa do próximo volume. Eu ainda não li Maze Runner, mas a escrita do autor é muito bem desenvolvida e até me interessei para ler essa série, cada acontecimento é de ficar em um folego tamanho, e eu entendi totalmente o porque de muitas pessoas comentarem a respeito desses livros, mesmo para quem não gostou da série anterior do autor sugiro que leiam.


   Felizmente, o livro me conquistou bastante, não ocorreu nenhum problema em ser em terceira pessoa, o único ponto negativo para não favoritar foi por conta de ter situações um pouco enfadonhas, fora isso foi muito bom e a leitura tornou-se bastante proveitosa.  Indico para todos, e quem adora livros juvenis indico ainda mais, recheado de ação e suspense, e um aviso, cuidado para não se conquistar facilmente a determinado personagem (rs). Um livro divertido, informativo e totalmente tecnológico, para quem é e não é geek vai amar do mesmo jeito, uma ficção científica totalmente inovadora, com um suspense totalmente maravilhoso!
"Estamos na VirtNet – rebateu Bryson – As coisas não precisam ser reais para existir."

29 de junho de 2015

[Resenha] Top School! #1 Seleção Natural - Toni Brandão

    
Ótimo!
Diagramação e Capa: Ana Dobón | Revisão: Albertina Pereira |Páginas: 303| Lançamento: 2014 | Primeira Edição | Skoob | Compre | Livro cedido em parceria com a Companhia Editora Nacional

“Que fila é essa dobrando a esquina? E a outra esquina? E a outra também? (...) O que quer uma galera radical e a dona de uma beleza feroz? Assistir ao novo filme do vampiro?”

 Oi, pessoas! Eita, o blog está cheio de resenhas! Hoje vim apresentar um livro bastante comentado na blogosfera, que me prendeu bastante e demonstra um pouco da sociedade louca por concursos para seguir profissão de modelo. Desde um tempo atrás, antes de receber esse livro, vi que muitos blogueiros comentando a respeito da obra e eu não tinha dado muita bola por conta de achar que era apenas um clichê ou então um livro com estilo de High School Music, mas eu estava totalmente enganado, as resenhas eram sempre positivas e eu notei que muitos tinham os primeiros aspectos com o livro assim como eu tive. 

 Então, "Seleção Natural" já pode ser notado que vai ter alguma apuração por aí, mas essa será de jovens para a maravilhosa Top School!, uma escola voltada a beleza e popularidade, muitos adolescentes desejam ser escolhidos por Antônia, dona da escola, e é um assunto bastante comentado no local onde acontece as inscrições para o lugar dos sonhos. Muitas pessoas ficam interessadas nessa escola, tanto que iniciei a resenha comentando sobre a grande quantidade de participantes, na fila, para inscrição, com objetivo de espalhar a sua beleza para o mundo e ser reconhecido por sua profissão. 
 Toda escolha é feita por carisma, beleza e também simpatia de cada candidato, Antônia acaba escolhendo vinte adolescentes para seguir a carreira de modelo, dez garotos e dez garotas, mas para conseguir passar nessa seleção, precisa ralar bastante, segundo ela. Logo no início da leitura, já podemos ter uma noção de quão importância tem essa apuração, muitas pessoas ainda tem preconceitos por conta de acharem que só meninas participam dessa seleção, mas não, muitos meninos participam. 

 Ao se aprofundar mais na leitura, conhecemos vários personagens que, com certeza, pode encantar ou até estressar qualquer leitor, muitos são humorados, divertidos e charmosos, conhecemos logo de primeira, Alice, uma garota totalmente bagunceira, segundo o seu irmão, Tutu, a relação dela com o seu irmão é totalmente engraçada e sempre “discutem” por conta de besteiras, aí depois chega a mãe dos dois pra aquietar tudo #amo/sou, a garota está infelizmente em uma decisão difícil, pois seu namorado, muito ciumento, acaba deixando um questionário para ela, "Top School! ou eu?!". 
 O estilo do livro não é focar em apenas um personagem e sim, em alguns participantes, depois da Alice, conhecemos alguns garotos que não dão a mínima para essa Top School!, Ben, Igor e Yong Li, porém Ben ao falar a palavra “dinheiro” (money, bitch!) deixou os dois garotos extremamente apaixonados por essa escola e eles agora sabiam que pagavam uma grande quantidade para os modelos. Prosseguindo daí, vamos conhecendo mais personagens, e até um português é apresentado nesse livro, que é o Guel, um rapaz que me trouxe várias informações a respeito da linguagem de Portugal e até uns constrangimentos, por conta do seu modo de falar algo, que aqui no Brasil é super embaraçoso. 

 Cada personagem tem sua originalidade, seu modo diferente de agir e até podemos nos identificar com alguns, e assim, se estiver em dúvida de achar que esse livro tem muitos personagens e por conta disso a leitura vai ser confusa, calma, a narrativa dele é de fácil prosseguimento e é impossível não esquecer da personalidade de cada um. 
 Outro assunto abordado, mas que apareceu em poucas páginas, foi o bullying, que ocorreu com alguns dos personagens, mas mesmo assim acabou trazendo um ensinamento totalmente bacana e tipo um tapa na cara da sociedade (rs) porque quem acabou sofrendo obteve sucesso. Além do mais, claro que em um livro voltado ao público adolescente tem que ter umas confusões, “tretas” e pegações, não é mesmo? Algumas situações são engraçadas, outras são bem sérias e levam o leitor a refletir por conta de determinado caso, mas assim, essa leitura foi tão agradável que deixou um suspense ao finalizar a obra. Uma coisa que incomodou foi o fato do autor não aprofundar mais em alguns assuntos que eu tinha notado que seria interessante e em certas cenas, ele deixa um pouco confuso, e isso acontece só as vezes, mas não que tenha perdido toda a leveza da obra. 

 Da diagramação eu só tenho que avisar, foi impressionante! A cor das páginas é um bege/marrom claro, com alguns desenhos de estrelas, me conquistou demais todo o trabalho, outra coisa a ser notada é ilustrações bem pequenas presentes em alguns capítulos, adorei bastante a fonte, apesar de ser simples e o tamanho dela está bem legal, e por final, a capa dela tem um trabalho bem curioso, apresentando uma parte fosca para interpretar o Jeans.
 Resumidamente, certos pontos me ganharam, “Seleção Natural” fluiu tão rapidamente que até perdi a conta de quantas páginas faltavam, e me apresentou tantos personagens cativantes que acabei gostando de todos (e rindo de todos), a linguagem que o autor abordou ficou bem bacana, por tratar-se de um livro adolescente e claro, todo o percusso das pessoas durante a situação foram bastante bem-humoradas e instigantes, estava doido para saber o que ia acontecer depois disso e com isso acabou acelerando o meu ritmo com a leitura, principalmente em algumas partes de entrevistas, não é mesmo, Ben? (HAUAHAUHAU).
 Indico para todos que desejam um livro divertido, personagens atraentes, narrativa que fluí rapidamente e claro, boas risadas. “Top School! #1, Seleção Natural” foi publicado pela Companhia Editora Nacional, é o primeiro livro da trilogia Top School! e foi escrito por um autor que já está conquistando alguns países, Toni Brandão. 
"Meu trabalho aqui é tentar destruir os equívocos e realizar os sonhos de quem realmente tiver talento e competência para se manter em pé nesse sedutor e perigoso mundo da moda."
 

28 de junho de 2015

[Resenha] Fingindo - Cora Carmack

     
Favorito!
Tradução: Paulo Polzonoff | Título Original: Faking It |Páginas: 332| Lançamento: 2015 | Primeira Edição | Skoob | Compre | Livro cedido em parceria com a Editora Novo Conceito

“Por quanto tempo você consegue prender alguém?”

 Oi, leitores! Mais resenha, uhules, e hoje venho com um livro que me prendeu bastante e que nos apresenta uma história super humorada e cativante. A partir de que recebi esse livro, fui tentando me afastar um pouco dele, por conta de ser um gênero literário que não leio frequentemente, mas daí eu acabei lendo várias resenhas positivas a respeito e também do primeiro livro, Perdendo-me, e eu tinha justificativas para não ler por conta que ele eu achava que era uma trilogia que precisava ler os livros anteriores. 

 E depois, meus amigos blogueiros me indicaram esse livro, por aí percebi o quão esse livro estava me perseguindo e quando eu comecei a ler a primeira página não consegui largar, pois é (haha). "Fingindo" é um livro super humorado, fascinante, amoroso e para quem olhar essa capa já pode ter uma noção que é uma obra literária erótica, mas não meus amigos, no que li, apenas uma parte era envolvida com sexo e nem era tão quente assim. 


 Bom, somos apresentados a dois narradores, Max Miller (Como ela odeia ser chamada de Mackenzie, e só seus pais podem falar assim, vamos para Max rs) e Cade, os dois são bastante opostos um do outro, porém, eles tem apenas algo em comum, eles estão passando por problemas amorosos. A nossa protagonista é uma mulher linda, cabelos vermelhos intensos, humorada, roqueira de paixão, mas ela tem um problema voltada a sua família, seus pais não sabem onde ela está trabalhando atualmente (que é em um bar, onde ela dança) e também que está namorando Mace, um cara totalmente sombrio, cheio de tatuagens e adivinha como eles se conheceram? No bar onde ela trabalha e então não resistiu ao rapaz dando em cima dela. 

 E a nossa protagonista recebe uma ligação de seus pais querendo jantar no Dia de Ação de Graças em sua casa e conhecer o novo namorado, como ela já tinha mencionado para eles, e aí que percebi, tudo pode acontece em uma cafetaria, que outro fato é que ela acabou conhecendo seu "namorado de aluguel", que é Cade Wiston, um rapaz bonito, mestrado em belas-artes e que foi "chutado" por sua paixão, Bliss, que sempre a amou, mas infelizmente nunca contou para ela, e também acabou descobrindo que ela ia se casar com outro cara, seu amigo, Garrick, e ele fica sem saber o que fazer após receber a tão assustadora notícia.



 Os dois personagens "chutados" se conhecem após o namorado da jovem Max não ligar muito para o que está acontecendo e que os pais da sua amada estão doidos para descobrir quem é ele, Mace acaba saindo a cafetaria. E assim, Max e Cade se conhecem, a protagonista ~doida de pedra~ viu o garoto bonitinho e resolveu perguntar se ele queria ser seu namorado durante 24 horas, ela disse que poderia pagar pela ajuda, mas ele não ligava muito para dinheiro, mesmo assim acabou aceitando para tirar a fama de "bom moço" (e muitos achavam que ele era gay rs), porém em menos de dois minutos os pais da sua namorada falsa apareceram e então Cade conseguiu deixar os seus “sogros” totalmente encantados por ele.

 A Max ficou boquiaberta de que o namorado falso tenha conseguido deixar os seus pais totalmente felizes pelo namoro com sua filha. Acho que já dá pra se ter uma noção de que os dois vão acabar se gostando após esse teatro todo, não é mesmo? Então, eles acabam se apaixonando realmente, mas é uma paixão que poucos sabem, apenas os pais da garota. 


 Muitas surpresas e lições serão encontradas durante a leitura, cenas bastante fofas, sem tanta melação ou clichê, o que foi uma ideia genial da Cora Carmack. É impossível não torcer para que o casal fiquem logo juntos, e eu gostei da toda calma e leveza na escrita da autora, sem deixar o livro cansativo pela quantidade de páginas e eu só tenho que agradecer para a ela por me deixar rir durante muitos minutos e claro, por esse final surpreendente.


 Aos pontos da diagramação, ela está bem simples, mas com um toque super especial, a cor das páginas é amarelada, a fonte é grande e tenho que acrescentar que o livro é narrado por  cada personagem, uma vez a Cade e no próximo capítulo é a Max e assim prosseguindo. E claro, o cheiro do livro está muito bom (HAUAHUAHAU). Outra coisa a ser citada é que muitas vezes os personagens cantam canções, as quais são traduzidas e conseguimos entender o que tal personagem quis demostrar com a música. 



 Em suma, a leitura de "Fingindo" foi extremamente arrebatadora, mesmo não gostando tanto de livros do gênero, eu AMEI bastante por conta do foco ser no casal (mas nem sempre é só no casal) e também me prendeu do início ao fim, isso é o que gosto de obras que seguram o leitor, e após finalizar eu percebi que preciso ler logo "Perdendo-me" e aguardar ansiosamente o lançamento de "Encontrando-me", porque meu Deus, Cora Carmack me fez apaixonar por sua escrita completamente. 


 Indico esse livro para todos os leitores, mas quem não curte livros com palavrões é melhor ler em outra época, fora isso, garanto desde já boas risas e cuidado para não ficar com ressaca literária (rs). "Fingindo" é o segundo livro da trilogia, publicado pelo Grupo Editorial Novo Conceito.
"(...) E não é que eu não os amasse... Eu os amava. Só não amava a pessoa que eles queriam que eu fosse." Max Miller.

 
TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | DESIGN POR LUAN SAMPAIO